Lia

lia.gif

Este é mais um dos projetos que ainda estou desenvolvendo. Um dos mais adiantados, acredito.

Outubro do ano passado abrigou meu casamento religioso, realizado na cidade de Fortaleza-CE.

Para os festejos recebi uma encomenda expressa da noiva: projetar e produzir os convites.

Segui a fórmula básica: convite de casamento, igual a tipografia, mais caligrafia. Precisava então providenciar inicialmente a tipografia. Assim foi feito. Dei início ao projeto da fonte digital Lia. Nada que remetesse ao manuscrito. Afinal Matheus Barbosa – irmão calígrafo – já seria ‘escravizado’.

Um caminho oposto foi tomado. Um tipo mecanizado, com ares de contemporâneo, porém com certo romantismo. Afinal de contas, tratava-se de um casamento. Logo, a inspiração: máquina de escrever.

A fonte American Typewriter Light do Catálogo de Fotoletras da Gráfica Editora Apipucus S.A. serviu de referência para posicionamento das lágrimas na Lia. O peso foi modificado. Porém, a configuração de alguns terminais foi mantida. Por exemplo, no caso da perna do ‘R’ e parte inferior da haste do ‘t’.

Toda a fonte tem bojo retangula, característica determinante, e seu projeto tem princípio modular. Na verdade, uma evolução do que é proposto no segundo experimento do MECOTipo, algo de maior complexidade, capaz de comportar maior variação de módulos do que os três originalmente propostos pelo método.

Como costumo dizer: Músicos compõem canções para suas amadas, pintores pintam telas em sua homenagem e nós, tipógrafos, fazemos fontes.

O resultado preliminar da Lia está ai. A versão beta 03 já está em andamento, com espaçamento ajustado, mais caracteres e curvas suavizadas. A versão bold, como já informado no post anterior, também está a caminho.

 

One Response to “Lia”

  1. online says:

    ler todo o blog, muito bom

Leave a Reply